O chão de paralelepípedo

Quando era criança costumava passar horas sentada na calçada espiando o mundo passar. Tudo acontecia da mesma forma. Como num roteiro escrito por um virginiano. Primeiro, Seu Chico passava com o gado. Depois, Dona Terezinha deixava duas garrafas de leite rico em gordura e simpatia na porta de casa .” Oi, moça bonita”, ” Oi Dona Terezinha, a senhora tá boa?”. Em seguida era a vez do Zé Carlos, que passava pedalando uma bicicleta vermelha incrível .  ” Opa, Zé “, ” Diiiia, menina! “. Naquele chão de paralelepípedo sempre passavam as mesmas pessoas, no mesmo horário. Sempre detestei rotina, mas essa, faço questão de manter viva na lembrança.

Quando me cansava de espiar, corria para o cajueiro e brincava de astronauta. Aquele chão coberto por caju, já me viu decolar várias vezes. Já fui para Marte, Júpiter, Mercúrio e até para o Sol. De todos os planetas que visitei, Saturno foi o mais emocionante e assustador. Quando estava prestes a aterrissar, minha nave enroscou em um dos seus anéis. Fiquei presa. O esforço para sair de lá foi tamanho, que o galho em que eu estava quebrou. Resultado: um galo na testa, arranhões na perna e uma bronca-carinhosa-da-Vó. ” Santo Deus! Ni, eu disse pra você não subir no cajueiro, não disse, cabrita? Vamos! Vou colocar mastruz nesses machucados”.  Minha Vó não fez medicina, mas sabia exatamente o que fazer. O segredo não estava nas ervas, estava no afeto dela. Ele curava os meus arranhões com tamanha rapidez, que mais parecia milagre.

De toda saudade que sinto, lembrar do Vô é a mais ” doedora”.  Meus olhos castanhos abobalhados, sempre inundam quando lembro dele. Na cadeira de balanço, fumando um cigarro de palha, me contava histórias maravilhosas. As minhas preferidas  eram aquelas em que a Vó era protagonista. Aquelas que aconteceram no Paraná e no Rio Grande do Norte. Juntos, eles viajaram do Sul ao Nordeste. Juntos, passaram perrengues, frio e calor. Juntos, decidiram ser um só. Eles deveriam decidir juntos, a hora de partir, mas num vacilo do destino, o Vô foi embora. Deixou a Vó desprotegida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s